Categorias
banda larga google telefonia TV

Velox, Virtua e Speedy. Comparar preços.

Comparar custos e serviços de banda larga. Comparação entre os planos mensais da Velox (TELEMAR), do Virtua ( NET) e Speedy (Telefônica):


Velox 300 kbps Plano: R$ 63,00 Aluguel do Modem: R$ 20,00 Provedor de Autenticação: no mínimo, R$ 20,00 Total: R$ 103,00 Limitações: Download: 300kbps Upload: 150kbps (Valor correto da velocidade é 150kbps e não 128kbps. Dica enviada pelo Gerson.) Franquia: liberado Speedy Light 250 Plano: R$ 56,00 Aluguel do Modem: R$ 16,00 Provedor de Autenticação: no mínimo, R$ 20,00 Total: R$ 92,00 Limitações: Download: 250kbps Upload: 128kbps Franquia: 4GB Ultrapassado a franquia, é cobrado R$0,10 por cada MB adicional. Vírtua 2 Mbps Plano:R$ 99,90 Aluguel do modem: regime de comodato, não há taxa mensal. Provedor de Autenticação/Conteúdo: não é exigido. Limitações: Download: 2Mbps Upload: 300kbps Franquia: 20GB/mês Ao ultrapassar o limite, não é cobrado MB por transferência adicional. O usuário terá a velocidade limitada a 150kbps.

– – – – – – – – – – – – – – –

PLANOS NET VIRTUA:

– – – – – – – – – – – – – – – Sem assinatura de TV a Cabo: NET VIRTUA 2MG=R$ 99,90 NET VIRTUA 4 MB=R$ 119.90 NET VIRTUA 8MB=R$ 219,90 Com assinatura de TV a Cabo ( novos clientes, base 2): NET VIRTUA 2MG=R$ 89,90 NET VIRTUA 4 MB=R$ 109,90 NET VIRTUA 8MB=R$ 209,90 Com assinatura de TV a Cabo ( velhos clientes, base 3): NET VIRTUA 2MG=R$ 79,90 NET VIRTUA 4 MB=R$ 99,90 NET VIRTUA 8MB=R$ 199,90 O mellhor plano, levando em conta custo e benefício é o plano VIRTUA de 4MB , mas deve-se levar em conta o protesto de muitos usuários contra limitacao de uso de programas peer-to-peer (P2P).

Categorias
banda larga

Limite de Download Speedy Novos

O consumidor pode exigir a manutenção do que foi pactuado em seu contrato.

Direitos dos usuários dos serviços de banda larga

Uma série de comerciais amplamente divulgados na mídia apresentam os novos planos de banda larga oferecidos pela Telefônica no Estado de São Paulo. Muitos consumidores que já assinam
o Speedy têm dúvidas sobre a obrigatoriedade ou não de mudarem seus contratos e, desta maneira, assinarem os novos serviços. Porém, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) garante que os usuários que já contratavam o Speedy antes dos novos planos não são obrigados a alterar seus contratos. Isso vale também para todos os usuários de serviços de banda larga.

O consumidor pode exigir a manutenção do que foi pactuado em seu contrato, de acordo com os princípios da harmonização das relações de consumo (art. 4º, inciso III do CDC) e da livre escolha (art. 6º, inciso II do CDC). O artigo 51 do Código de Defesa do Consumidor também veda a possibilidade de alteração unilateral do contrato pelo fornecedor. Dessa forma, a operadora não pode alterar o contrato sem a expressa autorização do usuário.

Os contratos com imposição de limite do download por velocidade de conexão contratada só podem ser comercializados pela empresa desde que o consumidor seja claramente informado a respeito disso durante a divulgação do serviço, ou seja, na oferta ou propaganda. A informação adequada e clara é um direito básico do consumidor, garantido pelo artigo 6º, inciso III do CDC.

Entretanto, o que se vê é que, por ser um dado estritamente técnico, muitos consumidores não têm noção do que representa a limitação de downloads imposta, violando assim o direito à informação.

As cláusulas que impõem restrição ou limitação de direito devem vir descritas em destaque, permitindo a imediata e fácil compreensão pelo consumidor. É o que assegura o artigo 54, capítulo 4º do CDC.

Se a oferta ou a propaganda foi omissa a respeito e o contratante somente verificar a ocorrência da limitação no ato da assinatura do contrato, poderá exigir o imediato cumprimento da obrigação ofertada, nos moldes do artigo 35 do Código de Defesa do Consumidor: “Se o fornecedor de produtos ou serviços recusar cumprimento à oferta, apresentação ou publicidade, o consumidor poderá, alternativamente e à sua livre escolha:
I – exigir o cumprimento forçado da obrigação, nos termos da oferta, apresentação ou publicidade;
II – aceitar outro produto ou prestação de serviço equivalente; III – rescindir o contrato, com direito à restituição de quantia eventualmente antecipada, monetariamente atualizada, e a perdas e danos”.

Uma outra questão diz respeito à qualidade da conexão. Um exemplo é quando a conexão fica mais lenta. A modificação de qualquer característica que comprometa a qualidade da prestação do serviço do fornecedor ao consumidor é considerada, nos termos de lei, vício de serviço. Ocorrendo isto, o usuário poderá solicitar o cumprimento do contrato nos termos pactuados e a manutenção da qualidade do serviço até então prestado. O consumidor tem o direito de solicitar o abatimento proporcional de preço, caso o serviço tenha ficado inacessível por um determinado período de tempo, sem prejuízo de eventuais perdas e danos.
Informações Completas, acesse o site do IDEC.
http://www.idec.org.br/

Categorias
banda larga telefonia

Internet Ilimitada Tarifa Plana. A verdade.

Saiba mais como é este serviço.

Sempre houve a necessidade de uma conexão em uma casa de campo que fica em uma pequena cidade do interior de São Paulo. Nesta cidade, de 25 mil habitantes, não existe acesso a banda larga (SPEEDY) e não existe tv via cabo (NET VIRTUA), e até pouco tempo atrás não existia nem “provedor de acesso”, obrigando a quem deseja uma conexão na internet a fazer uma chamada interurbana para realizar uma conexão dial up.

Recentemente, a Telefônica disponibilizou a Internet Ilimitada Tarifa Plana para esta cidade. Como não existe outro tipo de conexão, que não seja fazendo um interurbano, resolvi assinar o plano assim não pagaria por pulsos.
Liguei para a Telefônica e assinei o serviço por R$ 29,00, que ficou disponível para a minha linha após 24 horas do pedido.

O atendente perguntou se eu tinha um provedor de acesso, e disse que sim, pois infelizmente, já sou assinante do Terra Plus Speedy ( Megavia ), instalado em uma outra linha, em outra cidade com o mesmo código DDD.

Para completar o procedimento, o atendente da Telefonica disse que era para eu “baixar” o discador para o iTelefonica no site do Terra.
Respondi que isto não seria possível , pois não existe discador para sistema MacOSX . Comuniquei que eu mesma seria capaz de configurar o meu acesso desde que ele me fornecesse o número para o qual devo discar para usufruir da Internet Ilimitada.

Satisfeito com esta resposta, o atendente me forneceu o número de acesso ao Tarifa Plana, para minha cidade: 16 3488-8333. Configurei meu computador, entrei com o meu login do Terra e naveguei por 2 horas em uma conexao muito ruim que desconectava muito.

Após conversar com alguns amigos da cidade, que também estão usando o Tarifa Plana, percebi que todos tinham conexões instáveis e resolvi checar. Abri uma tela de Terminal Unix e observei os Logs, para ver como estava sendo efetuada a conexão.
Para minha surpresa, descobri que estava pagando pulsos! (Veja aqui página com as Figuras e os Logs).

Telefonei para a o atendimento da Telefonica e ele me disseram q deveria ligar para o suporte do Terra, no 0800 777 5757. Pelo Terra, fui informada que teria que possuir um outro plano de acesso e outro login , este sim, de acesso a Tarfida Plana. Resultado, teria que pagar mais R$ 19,90.
Como conheço bem a política destas duas empresas, resolvi pagar para ver até aonde eles iriam.
Assinei com o Terra, outro plano de acesso e entao, o atendente disse que eu deveria “baixar” o discador.

Após repetir insistentemente que meu sistema não possui versão do discador, o atendente me forneceu o número de acesso para Tarifa Plana: 16 3488 8633. Insisti com ele, perguntando se o número fornecido era mesmo de acesso sem pagamento de pulsos, e eles confirmaram que sim. Perguntei ainda se estes números não estariam disponíveis no site da empresa, para que usuários de Mac não necessitassem telefonar para obtê-los. E fui informada que eles não disponibilizam estes números.

Bingo! Paga-se R$ 19,90 por mês para que eles me digam uma só vez qual o número de acesso.

Fiz alguns testes, conectei usando no 3488 8633 usando o velho login do Terra Plus (conta de acesso do Speedy) e observei que o a conexão é Flat Free, sem pulsos.
Bom, depois de testar todas as possibilidades, começei a ficar muito brava por nao conseguir navegar. Toda vez que abria o navegador (browser) ou o programa de email, a Telefonica bloqueava a comunicação e exibia na tela do navegador, uma página dizendo que era necessário que baixar o tal do “discador”.

Após 6 dias de uso do plano, telefonei para a Telefonica para cancelar a Tarifa Plana. Gastei exatos 6 horas no telefone para conseguir ser atendida tanto no TERRA como na TELEFONICA, e só finalizaram o meu pedido depois que perdi a paciência e disse que a ligação estava sendo gravada, e que eu iria ao PROCON protocolar o pedido de cancelamento do serviço e fazer uma queixa contra eles.
Pois não é que então, no extremo da discussão, o atendente da TELEFONICA disse que não era necessário pagar provedor de acesso ( os R$ 19,90) e fornece o número de acesso da Telefonica, com login e tudo mais:
ACESSO TELEFONICA
16 34888315
testando.123@itelefonica.com.br
senha:102030
Claro, que este acesso era provisório e que eu deveria assinar com o IG ou IBEST, pelo acesso gratuito.

Resumindo, o acesso a Tarifa Plana se dá pelo número 16 3488-8633 ou então, pelo número fornecido pela Telefônica :16 3488-8315

Será que foi de má fé a primeira informação, de acesso pelo número 16 3488-8333, pelo qual pagavam-se pulsos.

Imagine só se eu tivesse ficado conectada o mês inteiro pagando pulsos + provedor de acesso R$ 19,90 + Tarifa Plana de R$ 29,90 ?

Estou curiosa para ver a conta telefônica de meus amigos que estão fazendo uso do serviço.

Cada um que tire a sua própria conclusão.