Categorias
geral grátis internet

Bit Torrent, Azureus e eDonkey2000

Como fazer downloads de arquivos, filmes, documentários através de arquivos .torrent

Um pouco de história sobre troca de arquivos:
No tempo do BBS, a comunicação era linear.
Não havia o conceito de recomeçar um download do ponto onde havia parado, as conexões eram lentas.
Segundo o site CONTRADITORIUM, isso atrasou muito a principal função da Internet, que é a troca de arquivos de sacanagem e filmes pornôs.
Até hoje um download via FTP, são dois computadores enviando e recebendo arquivos ( informações) independente do que os computadores da rede mundial estejam fazendo.
Exemplos de P2P: Carracho, KDX , Hotline, Napster, Acquisition.
O NAPSTER foi da primeira geração de programas peer-to-peer. Ele baixava os arquivos de um usuário de cada vez. MP3 passou a ser um popul.ar por conta da troca deles na internet. E assim, o Napster enlouqueceu empresas fonogáficas.
Outros softwares de P2P, como Gnutella e Kazaa, tambem sofriam desta limitação de baixar arquivo de um usuário por vez.
Daí veio o eMule, que usa o modelo de “fila”. No EMULE, a troca é condicional. Só permito o download do arquivo A se você compartilhar, para mim, o arquivo B.
No EMULE, há muitos arquivos falsos (que levam dias pra baixar), spams, vírus e pornografia ilegal.
Nada garante que um arquivo downloadeado, seja o que você queria e esperou tanto tanto por ele.
Bom…
Surge o famoso DVD e os leitores de DVDs para computadores pessoais. De carona, criaram também o DeCSS, que descriptografava os DVDs, liberava as regiões dos players. Aparece também o formato de compressão DIVX.
Proliferam filmes e documentários online. A pirataria corre solta.
E então, a Motion Pictures Association of America processa usuários de P2P que baixaram filmes ilegalmente.
Aparece, então, o formato TORRENT,(mais conhecido como Bit Torrent)
Foi criado por Bram Cohen em 2003 e tem sido o alvo nº1 de empresas que lutam por direitos autorais.
Ele partiu da idéia:
1. como distribuir uniformemente um arquivo para o maior número de pessoas simultaneamente?
2. como evitar filas e sobrecarga de servidor quando da fase inicial, onde somente um, ou poucos computadores possuem o tal arquivo?
A solução proposta foi bacanérrima!
Por definição, todo membro de um enxame (o termo que compreende os computadores conectados a um arquivo torrent) é tanto receptor quanto transmissor.

O que é o Bit Torrent?

É um protocolo de compartilhamento de arquivos que progressivamente distribui a transferência da banda entre muitos usuários.
Ele faz com que grandes arquivos de audio e vídeo, possam ser downloadeados através da WEB, em um tempo razoável ( de alguns minutos até algumas horas). Ele tambem reduz o custo de transferência de arquivos para um site que disponibilize muito conteúdo.
Ele introduziu o conceito “partilhe o que já descarregou” maximizando muito o desempenho e possibilitando downloads rápidos e imediatos.
Por exemplo, uma vez que um usuário de Bit Torrent começa a downlodear um arquivo de vídeo, ele passa também a disponibilizar este mesmo arquivo. O próximo usuário, que tiver interesse neste mesmo arquivo, já começa a fazer o download do primeiro usuário.
Os downloads se tornam, progressivamente mais rápidos e eficientes. O uso da banda, transfer rate, é distribuido entre os usuários, minimilizando os custos para todos.

Como Bit Torrent funciona?

Na rede BitTorrent os arquivos são quebrados em pedaços de geralmente 256Kb ou 512 kb. Ao contrário de outras redes, os utilizadores da rede BitTorrent partilham pedaços em ordem aleatória, que podem ser reconstituídos mais tarde para formar o arquivo final.
O sistema de partilhamento optimiza ao máximo o desempenho geral de rede, uma vez que não existem filas de espera e todos partilham pedaços entre si, não sobrecarregando um servidor central, como acontece com sites de downloads por exemplo. Assim, quanto mais utilizadores entram para descarregar um determinado arquivo, mais largura de banda se torna disponível.
Existem dois tipos de pontos em uma rede torrent:
Os Seeders ( semeadores)
Os Leechers ( chupadores)
Seeder é que semeia um Torrent, Leecher é que faz o download ( utilizadores-peers).

Como você partilha um arquivo no Azureus?

1) Primeiro você faz um conta em um TRACKER.
* O tracker é o computador que vai fazer a ligação entre os seeder(s) e os receptores, em outras palavras é o elo de ligação entre os usuários que estão compartilhando o arquivo.
O Tracker que eu recomendo é o www.torrentbox.com
2) Cria um Arquivo .torrent usando o AZUREUS.
O Azureus pede o “rastreador externo” ( que nada mais é que o TRACKER que você se cadastrou antes)
3) Entra no site de TRACKER que você havia se cadastrado, no caso “torrent box”, e faça um “UPLOAD TORRENT” coloca no ar por através de um tracker . E vc passa a ser um SEEDER (Semeador)
4) O arquivo .Torrent fica disponivel em alguma pagina na web, fixa indexada em um tracker, ou você o envia o link diretamente para um amigo seu.
5) Utilizadores, Leechers ou PEERS- vão começar a “baixar” teu arquivo.

Como downloadear um arquivo de um arquivo .torrent?

é bastante intuitivo. Cada pessoa que quiser descarregar um arquivo, primeiro deve descarregar o arquivo torrent que aponta para o arquivo de um site de TRACKER
Então, atenção, não existe sistema de busca dentro de um cliente de Bit Torrent, por ex. Azureus, o utilizador deve procurar o torrent em sites da internet.
Depois abre o arquivo .torrent no seu cliente BitTorrent.
O arquivo torrent mostra ao cliente o endereço do tracker, que mantém um log de quais os utilizadores que estão descarregando o arquivo e onde o arquivo e seus pedaços estão (caso o tracker esteja fora do ar fica impossível começar o download).
Depois do download começar, se o tracker sair do ar ainda é possível continuar o download, mas perde-se a informação de quais os utilizadores que estão online e quais os blocos que estão disponíveis.
Para cada fonte disponível o cliente lista quais blocos do arquivo que estão disponíveis, para depois pedir o bloco menos disponível na rede que ele ainda não possui. Essa priorização, dos blocos mais raros entre os utilizadores da rede primeiro, faz com que todos tenham blocos para partilhar. Assim que um cliente termina de descarregar um bloco, ele é automaticamente “hasheado” para garantir a integridade e segurança do mesmo, para em seguida procurar um cliente qualquer para fazer o upload daquele bloco.
Os utilizadores que já terminaram de descarregar um arquivo são “semeadores”.

Quem faz mais uploads de arquivos .torrent ganha melhor performance?

O sistema de compensação por uploads do BitTorrent já era implementado numa variante no KaZaA em 2002. O nível de participação de um usuário aumentaria e baixaria de acordo com o volume de uploads.

Sistemas parecidos ao Bit Torrent?

Similar ao eDonkey2000 , porem no eDonkey2000 os nós da última costumam partilhar um número muito maior de arquivos, tornando a banda disponível para cada arquivo muito menor.
O eDonkey2000 tem filas de espera muito grande.

Questões legais?

Inicialmente criada para distribuir arquivos legalizados, como as distribuições de GNU/Linux, trailers de filmes de alta qualidade ou qualquer outro tipo de material de livre distribuição.
PORÉM…
O BitTorrent também é conhecido por ter na rede usuários partilhando músicas, filmes e programas ilegalmente, assim como acontece com as outras redes P2P.
A rede BitTorrent foi usada para distribuir cópias ilegais de alta qualidade do filme The Matrix Reloaded já nos dias seguintes após o filme ser lançado nos cinemas.
Outros casos famosos foram o do vazamento do código fonte do jogo Half-Life 2 e até uma parte do código fonte do Windows NT e do Windows 2000.
Há chuva de processos vindos de diversas autoridades defensoras dos direitos autorais, incluindo governos, atacou os principais sites de distribuição de torrents no mundo.
Apesar disto o protocolo se mostrou bastante eficiente em tirar a sobrecarga de sites que oferecem demos e videos legalizados para o público comum. Alguns desenvolvedores, publicadores e sites do mundo já aderiram ao protocolo ou a outros protocolos p2p como uma forma de reduzir os custos de manutenção de grandes servidores de arquivos.
Até o momento, o BitTorrent é o protocolo P2P mais popular adotado para usos legalizados.

Existem diferencas entre BIT TORRENT e outros protocolos de P2P?

Existem duas diferenças principais entre o BitTorrent e outros protocolos de partilhamento comumente conhecidos.
Primeiramente, o BitTorrent não oferece um sistema de busca interno, o usuário deve procurar os arquivos torrent que apontam para o arquivo que ele quer baixar por indicação de alguém ou procurando em sites que indexam torrents. E em segundo lugar, a rede não dá suporte ao usuário para distribuir um arquivo, ele deve rodar um tracker para tornar o seu torrent disponível para os outros por conta própria ou usar um tracker de terceiros para isso. Essa duas características tornam a rede BitTorrent um alvo improvável de processos judiciais, bem como os seus usuários. Porém, o mesmo não se pode dizer daqueles que rodam trackers ou sites indexadores de torrents para distribuição de programas comerciais, jogos, filmes completos, músicas, etc.
Sites que disponibilizam listas ( trackers) de arquivos ilegais de .torrent sao sempre perseguidos pelas autoridades.
O suprnova era um site famoso, e foi fechado.
O administrador de lá criou uma companhia e o programa de partilhamento Exeem, que diz descentralizar o BitTorrent eliminando a necessidade de trackers. Diferentemente do BitTorrent, o Exeem não tem código fonte aberto e é patenteado por uma empresa.
Já existe um sistema de entrega de conteudo apeliado de Broadcatching, que combina RSS e Bit Torrent. Faz com q a pessoa que assina o canal de RSS receba arquivos de torrent.
Em outras palavras, assim como você se cadastra num site para receber notícias por e-mail, você poderia se cadastrar num site para receber arquivos com o conteúdo desejado, como trailers de novos filmes, músicas, seriados, etc)

Algumas operadadoras de banda larga estão fazendo traffic shapper nas transferencias p2p para limitar a banda.

A NET Virtua, com suas novas conexões MEGA FLASH, esta fazendo traffic shapper. Ou seja, limitando conexões que estejam fazendo P2P
Versões novas dos clientes torrent, existe uma opção que permite criptografar o cabeçalho dos pacotes de TCP/IP para que o traffic shapper não consiga identificá-los.
Alguns provedores também estão monitorando as portas do programas p2p.
Neste caso, basta colocar uma porta aleatória (alguns clientes já fazem automaticamente).
Não só o Virtua, mas BrasilTelecom, Velox…
Existe um Yahoo groups [quero_meus_p2p] que trata deste assunto.
Wikipedia Torrent. O que é?
Guia como criar um Torrent
Tutorial completo Bit Torrent
Como desbloquear a Bit torrent, Azureus e eMule nas conexões Virtua Mega Flash

Categorias
geral internet

Technorati renova-se. Nova interface e upgrade de funcionalidades

Pesquisa nos blogs mais veloz e precisa, cálculo do rank melhorado e interface gráfica mais compacta

A Technorati, o popular mecanismo de busca de BLOGS, tem agora um novo layout, melhorias nas suas funcionalidades e novas características de pesquisa e gestão dos próprios dados e dos blogs dos outros.

A nova página de Technorati

A novidade mais relevante consiste no melhoramento da interface gráfica que agora está mais essencial e organizada. A home page foi repaginada em três colunas. Estas por sua vez, o acesso aos BLOGS que foram atualizados recentemente são organizados de maneira bem compacta e clara; da seguinte maneira: por categoria, por autor e por tag.

Pesquisa nos Blogs

A pesquisa dos posts está decisivamente mais veloz e a página de resultados apresenta-se mais clara e compacta. É possível visualizar maiores detalhes de um único post, clicando em um ícone que mostra o post em um pop-up.
Muito interessante um gráfico que aparece no lado esquerdo da página de resultados. Este gráfico mostra a freqüência de aparição, nos BLOGS, da palavra utilizada na pesquisa que você efetuou.

Melhoria na funcionalidade dos BLOGGERS

Para os bloggers que vinculam seus blogs a Technorati, e se logam na parte administrativa do site, as mudanças são mais evidentes. Uma coluna central contêm as últimas mensagens postadas de seus blogs preferidos, e a esquerda, aparece o elenco de seus próprios blogs com certa facilidade de gestão.
A pesquisa é realmente mais veloz e tudo indica que eles realizaram um aperfeiçoamento do algorítmo de pesquisa. É possível que eles tenham atualizado o algorítmo para realizar pesquisa cruzada entre os vários posts.
Muitos links que Technorati individualizava verso meus posts são agora melhor avalidados e o número de links e blogs que fazem referimento aos meus vários posts parecem ser mais confiáveis.
Ainda existe qualquer problema na individualização dos relacionamentos entre os posts. Algumas vezes Technorati considera um único post de um blog como um blog externo. Quando , portanto, individualiza um link interno a um mesmo blog, o sistema está considerando-o como um link externo. Isto, de certa forma, invalida o cálculo dos links totais verso um blog. Obtém-se, assim, um rank de posicionamento que não é 100% confiável.

Categorias
geral internet

ClaimID

Gerencie sua identidade online

Quantas vezes você foi no Google procurar pelo seu próprio nome?
Vamos lá ! Admita! Quantas vezes por semana? E os resultados, são sempre iguais? Iguais ao da semana passada?
Seu próximo emprego pode depender disto. Cada vez mais empregadores efetuam buscas online para saber mais sobre um potencial candidato. Reviram o ORKUT, fazem buscas no Google, MSN e YahooGroups.
Resultados e indexações de Google, MSN ou Yahoo podem não serem exatamente favoráveis a você, pois elas são efetuadas por spiders e robots que se movem por algoritmos.
E o que dizer, se você tem um nome comum, com centenas de homônimos? Por exemplo: João da Silva?
É aí que entra o serviço do site CLAIM ID.

2) Como eles tiveram a idéia?

Fred Stutzma e Terrell Russell perceberam a necessidade de criar um sistema assim quando um deles, ao buscar um entrevista de emprego, passou horas e horas respondendo sobre o que era ou não informação verdadeira a seu respeito.
Este assunto foi tratado por mim, no PODCAST ELASPOD. Click aqui, para acessar o podcast

Categorias
geral internet

Boleto falso do REGISTRO.BR (NIC.BR).

O boleto, enviado por correio, possui um logo do NICREGISTRO.COM com o mesmo tipo de letra. Não pague! É falso!

No início da semana, o Registro.BR enviou alerta sobre uma empresa não atuorizada que estava enviando cartas de cobranca (boletos) com envelope e logotipo parecido com a da anuidade dos dominios .br.
Segue cópia do email verdadeiro enviado pelo REGISTRO.BR:

Prezado(a) Usuário(a),
Tendo em vista que alguns detentores de nomes de domínio receberam
boletos de cobrança não relativos aos serviços prestados pelo NIC .br, que podem causar confusão devido à utilização de expressão semelhante aos nomes NIC .br e Registro.br, alertamos que todas as cobranças relacionadas ao serviço de registro de nomes de domínios brasileiro são emitidas exclusivamente pelo cedente Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC .br, com CNPJ/MF sob o n° 05.506.560/0001-36, conforme consta no site http://www.registro.br/.
A base de dados do Registro.br não é disponibilizada em hipótese alguma a terceiros para reprodução ou comercialização. Devido às necessidades de segurança da Internet, existe uma interface pública [1] a qual se encontra disponível para consultas individuais.
O NIC .br já está adotando medidas para fazer cessar tais atos e responsabilizar os seus autores.
A nossa equipe de atendimento está à disposição para dirimir qualquer dúvida em relação ao nosso processo de cobrança,
Atenciosamente,
Registro.br
http://registro.br/

Muitos usários e desenvolvedores receberam boletos do Banco do Brasil no valor de R$ 87,00 em nome de uma tal SENIC, CNPJ 05.974.117/0001-90, telefone (79)-3211-0656, de Aracaju/SE.
O boleto é falso. É para autorizar a empresa de Aracaju a registrar um dos seus dominios .com.br para .com
O boleto (envelope enviado pelo correio) possui um logo ” NICREGISTRO.COM ” (sem .br) com mesmo tipo de letra utilizado pelo NIC.BR.
Clique aqui para ver o BOLETO FALSO
Verifiquei no site da Receita Federal, e descobri que no cadastro da Receita Federal o CNPJ 05.974.117/0001-90 possui o nome fantasia de “SPC DO BRASIL”. É para rir ou chorar?!
Desconfiem de qualquer boleto do REGISTRO.BR. O Boleto foi enviado pelo correio. Não foi um spam.
Prestem atenção! O boleto falso tem o nome “NIC REGISTRO.COM” (com o logo no mesmo estilo do REGISTRO.BR).
No boleto falso, constava um telefone de contato. Resolvemos ligar para o telefone do SAC 0800-703-2246.
Conversamos com uma atendente tentou de toda maneira explicar como poderíamos fazer o cadastro do domínio .COM no site da referida empresa de fachada. Detalhe, quem se sentir prejudicado, pode dar o troco. O telefone 0800-703-2246 do SAC aceita ligações de celulares.
A telefonista argumentou várias vezes dizendo que o registro do meu domínio .COM poderia ser feito normalmente, desde que pagássemos os boleto falso do registro.br no valor de R$ 87,00.
Não seria a hora de o REGISTRO.BR enviar emails com chaves PGP? Isto não facilitaria a identificação e evitaria futuros eventos de “pishing”. É claro que desta vez, foi golpe efetuado por carta…mas quem sabe , da próxima, pode ser algo através do email.

Categorias
geral internet

Ripple Pay, pagamento online P2P.

O pagamento online sem dinheiro, uma comunidade na base da confiança.

Geralmente os sistemas de pagamentos online são relacionados ao sistema de crédito tradicional, bancos e cartões de créditos.
Parecia impossível desnvincular a transaçnao online dos intermediários, como por exemplo, bancos e empresas de cartões de créditos, até que Ryan Fugger e Sylvain Poirier idealizaram e criaram a Ripple Pay.
Ripple Pay é um revolucionário sistema de pagamento online orientado não somente no sistema de crédito tradicional mas em sua comunidade e na confiança entre os usuários. Em poucas palavras, um sistema de pagamento peer-to-peer ( P2P).

Em que consiste a grande novidade do Ripple Pay

Parece apenas um detalhe pequeno, porém um sistema de pagamento que coloca fora os intermediários financeiros traz uma verdadeira revolução por um simples motivo: elimina o endividamento dos consumidores. No sistema tradicional ( por ex. cartão de crédito) cada pagamento corresponde a um endividamento. Todo o sistema especulativo e capitalista está baseado no endividamento dos consumidores.
Ripple Pay faz exatamente ao contrário: o pagamento elimina o débito e isto acontece graças a confiança entre os usuários ( comunidade)

Lily Rosen

Como funciona

Para explicar como funciona o sistema ripple faremos uma comparação que mostrará bem a idéia de “mecanismo baseado em uma comunidade e na confiança entre seus membros”.
Suponhamos que você tem um débito de 10 reais com a tua amiga Flávia e que você tenha ym livro que Flávia gostaria muito de ler.
Você pode propor a Flávia de dar-lhe o livro em troca da extinção do seu débito.

Um passo a frente

Obviamente este é um caso muito simples, mas podemos imaginar outra situação.
Adicionamos um outro amigo, Danilo e a situação ficará mais dinâmica.
Você tem um débito com Flávia de 10 reais.
Você possui um livro que Danilo deseja.
Neste caso, se Danilo estiver de acordo, e se é suficientemente amigo, você poderia dizer a Danilo: ” – Eu te dou o meu livro, e em troca você dará a Flávia os 10 reais que devo a ela.”

Se Danilo e Flávia aceitam, você eliminaria seu débito sem se endividar com a operadora de cartão de crédito. Tudo isto, graças a Danilo que tomou a responsabilidade de pagar a Flávia.
Ripple funciona deste modo, utilizando a comunidade ( Flávia, Danilo e você) e a confiança entre eles ( o fato dele se conhecerem entre si) para eliminar um intermediário financeiro no pagamento efetuado. Acima de tudo, elimina o endividamento do consumidor no qual está baseada toda a especulação financeira.
Mas , o que acontece se Flávia não tem confiança que Danilo pagará os 10 reais?
Aqui entra em jogo Ripple, que procurará um amigo comum entre eles, um amigo no qual Flávia tem confiança.

Ripple constrói uma rede de confiança entre milhões de usuários.

Inscrevendo-se no site da Ripple, cada usuário deverá reconhecer entre os outros inscritos, quais ele conhece e quais ele confia a ponto de assumir a responsabilidade do crédito ( ex. Danilo > Você).

Os amigos também fazem este reconhecimento e está criada uma rede de relações baseada na confiança.
No momento em que você deve efetuar um pagamento, o sistema ripple, através de algorítimos de pesquisas, buscará o caminho mais curto entre você e a pessoa a quem você deve pagar, utilizando claro, a rede de confiança de cada usuário.
Em poucas palavras, Ripple buscando entre conhecidos de conhecidos….encontrará um outro amigo para se colocado no lugar de Danilo, cuja pessoa Flávia tenha confiança.

A vantagem de Ripple Pay

Este sistema tem muitas vantagens, entre as quais a eliminação do endividamento.
Todo sistema capitalis está baseado na especulação feita sobre o endividamento do consumidor.
Quando você compra alguma coisa pela internet, ou até mesmo por em uma loja normal, e paga com o cartão de crédito, você na verdade, não pagou, mas simplesmente se endividou com o teu banco ou operadora de cartão de crédito. Funciona da mesma maneira como fazer um “financiamento” para casa própria, ou entao, conseguir crédito para consumir bens duráveis como carros, geladeiras e TVs de plasma. Caso você pague no vencimento da fatura , tudo bem! Caso não pague, dá-lhe juros.
Veja bem o exemplo das Casas Bahia cujas vendas brutas cresceram 28% em 2005, alcançando R$ 11,5 bilhões, e tendo lucro foi de R$ 201 milhões. Este lucro vem alto assim pois eles atuam como financeira, cobrando juros sobre juros na compra de uma geladeira.
Diariamente todos nós somos bombardeados pela mídia com “ofertas” e “crédito fácil”.
O estímulo ao consumo (com crédito fácil e parcelas a perder de vista) é utlizado como desculpa para aquecer a economia do país, criar mais empregos e melhores condições de vida.
Na realidade, isto tudo serve somente para alimentar o caixa dos intemediários financeiros que usam o nosso dinheiros para especular, e fazer mais dinheiro.
Tudo bem que nossa economia é capitalista e não se pode mudar tudo em um único dia, porém as coisas poderiam ser estruturadas de um modo mais ético. A maioria dos consumidores não percebem o quanto de juros e taxas pagam para as financeiras, eles somente pensam se podem ou não pagarem a prestação de determinado valor.

Ripple pay loucura?

Não , não loucura. Com certeza, é revolucinário, ambicioso, e acima de tudo algo para ser testado e experimentado. Deve também ser considerado muito sério porque pode constituir o primeiro passo avante contra o conceito abse do consumismo desenfreado: o endividademento do consumidor.
Se você gostou desta idéia, sinta-se convidado a inscrever-se ao sistema da Ripple Pay e alimentar este tipo de iniciativa pioneira. O sistema somente pede um email válido e é bem simples. Um vez que isto não muda nada em nossas vidas, provamos! Nunca se sabe….

Categorias
geral internet TV voip

Fórum Internacional Software Livre – FISL

Acontece de 19 a 22 de abril de 2006, em Porto Alegre.

0 Fórum Internacional Software Livre será realizado de 19 a 22 de abril de 2006, no Centro de Eventos FIERGS, em Porto Alegre.

As inscrições antecipadas encerrram-se no dia 13 de abril. Estudantes e integrantes de caravanas terão 50% de desconto.

Após 13 de abril, as inscrições só serão aceitas na Secretaria do evento, no Centro de Eventos FIERGS, do dia 19 ao dia 20 de abril, o valor cobrado será de R$ 100,00, e nos dias 21 e 22 será de R$ 80,00.

Estudantes terão 50% de desconto, mediante comprovante ou atestado de matrícula , e os membros de caravanas, mediante o código promocional emitido ao responsável pela caravana.

Programação Fórum Internacional Software Livre

A programação oficial do fisl7.0 foi segmentada em diversas trilhas: Desenvolvimento, Banco de Dados, Admininistração, Comunidade, Filosofia e Cultura Livre, Ecossistema do Software Livre, Desktop, Casos, Educação e Inclusão Digital, Jogos Livres e Multimídia. Tudo isso, para demonstrar a grande evolução na oferta de aplicativos ocorridas nos últimos anos, bem como análises das tendências projetadas para os próximos anos.

Na edição de 2005, o 6º Fórum Internacional Software Livre, reuniu representantes de mais de 11 países, participantes de todas as regiões brasileiras. Foram organizadas 31 caravanas para o evento. Os destaques ficaram com a Caravana do Norte, organizada pela Comunidade SOL e a caravana de Ourinhos, organizada pelo PSL-Ourinhos. Eles receberam uma premiação por serem consideradas as maiores caravanas do fisl6.0.

Os números do evento foram surpreendentes. Na Chamada de Trabalhos, que garante a participação da Comunidade Software Livre, foram recebidas 342 propostas, sendo 89 selecionadas, totalizando 222 palestrantes sobre dez macro-temas. O fisl6.0 teve, ainda, 500 expositores, 4.500 participantes e presença de 81 jornalistas de veículos de comunicação brasileiros e estrangeiros. Somando a tudo isso, a TV Software Livre contou com 12.350 telespectadores durante os 3 dias de transmissão via internet.

Confira a progrmação:

Uma das novidades deste ano está na possibilidade do participante selecionar as trilhas temáticas e visualizar aquilo que tem mais interesse em acompanhar.

A 7ª edição do Fórum inova também na homenagem que será feita a grandes hackers e cientistas da computação. A comissão organizadora do evento dará o nome dessas personalidades as salas do fisl7.0.

Sala Babbage:
Homenagem a Charles Babbage (26/dez/1791 – 18/out/1871), matemático inglês, filósofo analítico, engenheiro mecânico e cientista da computação, que foi o primeiro a idealizar o computador programável.

Sala Byron:
omenagem à condessa de Lovelace Augusta Ada King (10/dez/1815 – 27/nov/1852), que ocupa lugar de destaque na história como uma das primeiras mulheres a trabalhar em informática.

Sala Turing:
Homenagem a Alan Turing (23/jun/1912 – 7/jun/1954), matemático e criptógrafo britânico, considerado o pai da ciência da computação moderna.
A sala Church em homenagem a Alonzo Church, (14/jun/1903 – 11/ago/1995), matemático estadounidense que é responsável por alguns dos fundamentos da teoria científica computacional.

Sala Dijkstra:
Homenagem a Edsger Dijkstra (11/mai/1930 – 6/ago/2002), cientista da computação holandês, que recebeu em 1972 o prêmio A. M. Turing por contribuições fundamentais na área de linguagens de programação.

Sala Castilho:
Homenagem a José Mauro Volkmer de Castilho (1946 – 8/mar/1998), engenheiro e cientista da computação brasileiro responsável por pesquisas na área de bancos de dados e inteligência artificial.

Durante os quatro dias do Fórum, ocorrerão aproximadamente 250 palestras.
Este ano, o Comitê de programa do fisl7.0 recebeu mais de 350 propostas de palestras, maior número já registrado. Desenvolvimento, banco de dados, comunidade, filosofia, cultura Livre, ecossistema do software livre, serão alguns dos temas abordados durante o fisl7.0.

Categorias
geral internet

Tocmag lança serviço online.

Mini revistas para telefones celulares

A empresa européia TOCMAG acaba de lançar um novo serviço online que permite que o internautas crie seu próprio mini revistas, que tem formato especialmente desenvolvido para telefones celulares.

O serviço, por enquanto, é gratuito tanto para criar mini revistas quanto para obter o leitor ( reader). Cada "revista" pode conter múltiplas páginas de texto, imagens, vídeos. Estas páginas podem ser downlodeadas por qualquer telefone celular q tenha Java implementado no sistema.
Estas revistas estão sendo hospedadas no site da TOCMAG , e podem serem públicas ( qualquer um pode acessar e ler) ou privadas ( disponíveis somente para quem o autor desejar).

Segundo Mile Frampton, chefe de tecnologia da TOCMAG , é a primeira vez que pessoas podem criar conteúdos para telefones celulares. Ainda segundo ele, não existe limite de texto, imagens ou vídeos que usuários possam uplodear para o site. Assim, se você quiser mandar um arquivo de vídeo a teus amigos ou então, rodar uma campanha publicitária diretamente em telefones celulares.
O sistema deles é capaz de operar tanto para usuários privados como para usuários business. Eles também encorajam os publicitários, marketeiros, bloggers, podcasters e jornalistas a farem uso deste novo meio de divulgacão.

Categorias
geral TV

Sistema Democrático de Rádio e TV Digital

Frente Nacional por um Sistema Democrático de Rádio e TV Digital

CARTA
Frente Nacional por um Sistema Democrático de Rádio e TV Digital
Brasília, 04 de abril de 2006

Nas decisões acerca da implantação do Rádio e da TV Digital no País reside boa parte do futuro da produção cultural brasileira. Neste processo, achamos possível e fundamental garantir avanços para um novo modelo de comunicação para o Brasil.

Dora Mitsonia
Queremos democratizar as mídias, com a inclusão de mais atores na produção de conteúdo em rádio e TV; queremos um marco regulatório que prepare o Brasil para os desafios da convergência tecnológica; queremos que milhões de pessoas participem do maior programa de apropriação social das tecnologias de informação e comunicação da história do país; queremos fomentar uma cultura de participação e controle público da mídia; queremos impulsionar uma indústria audiovisual forte e plural; queremos ter na mídia a representação da diversidade cultural e regional brasileira; e queremos desenvolver a indústria nacional e, juntamente com o incremento da produção de conteúdo, gerar empregos e ajudar o país a superar o desafio da inclusão social. Em resumo, queremos utilizar o Rádio e TV Digital para impulsionar um projeto soberano e democrático de país garantindo direitos fundamentais consagrados pela Constituição Federal.

As decisões em curso podem ajudar o País a se desenvolver sob a égide do interesse público e promover a democratização das comunicações brasileiras. Mas também podem aprofundar os erros históricos cometidos na formação dos sistemas e mercados de radiodifusão no Brasil, com o acirramento de nossa dependência econômica em relação aos países mais ricos e produtores de tecnologia e conteúdo, além da continuidade do processo de concentração da mídia, com a falência do modelo de financiamento do setor e com a ausência de mecanismos de escoamento das produções audiovisuais independentes, locais e regionais. Ou seja, com a continuidade da prevalência dos interesses patrimonialistas e cartorialistas que sempre permearam as relações do Estado brasileiro com os grupos comerciais em detrimento dos interesses da população.

Com definições tão importantes a serem tomadas no próximo período, que incidirão profundamente na vida dos 180 milhões de brasileiros e brasileiras, nós – representantes de movimentos sociais e populares, organizações não-governamentais, sindicatos e associações de classe, conscientes da necessidade de somar esforços para participar politicamente do processo de tomada de decisão por parte do governo federal, constituímos na partir da presente data a Frente Nacional por um Sistema Democrático de Rádio e TV Digital.

A partir de hoje, atuaremos em conjunto para:
-mtornar o debate sobre a digitalização da radiodifusão brasileira realmente público, democrático, amplo e transparente;
– formular propostas acerca do modelo de implantação e exploração dos serviços e das opções tecnológicas e econômicas mais adequadas para o Brasil;
– defender a necessidade de que o Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) respeite os objetivos dispostos no Decreto 4.901 de 2003, que o criou, tais como a democratização da informação e o aperfeiçoamento do uso do espectro de radiofreqüências, a inclusão social, o desenvolvimento da indústria nacional e a garantia de um processo de transição que não onere os cidadãos;
– defender um genuíno SBTVD a partir das inovações produzidas pelos pesquisadores brasileiros com a utilização de recursos públicos;
– reivindicar a implementação de uma política pública que vise o desenvolvimento de um Sistema Brasileiro de Rádio Digital (SBRD) com os mesmos princípios do SBTVD; e

– defender que as decisões tomadas abranjam também a definição de um marco regulatório que incorpore a convergência tecnológica e regulamente os artigos constitucionais que envolvem a área das comunicações, bem como a legislação infraconstitucional

Acreditamos que uma definição criteriosa, que conte com a participação dos diversos setores envolvidos no processo fará com que o Brasil tenha reais condições de desenvolver um sistema de comunicações que seja plural, diverso e verdadeiramente democrático. Uma decisão apressada e pouco transparente só beneficiará os grupos privados criando uma situação “de fato” que poderá inviabilizar a inclusão de milhões de cidadãos e cidadãs hoje excluídos do processo de produção e distribuição de informação e de conteúdos audiovisuais.

Integram a frente as seguintes organizações:

Abong – Associação Brasileira de ONGs
Abraço – Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária

ABCCOM – Associação Brasileira de Canais Comunitários
ABCTEL – Associação Brasileira dos Consumidores de Telecomunicações
ABTU – Associação Brasileira de Televisão Universitária
Amarc – Associação Mundial de Rádios Comunitárias
AMP – Articulação Musical de Pernambuco
Aneate – Associação Nacional de Técnicos em Artes e Espetáculos
Associação Software Livre.org
Campanha “Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania”
CBC – Congresso Brasileiro de Cinema

CCLF – Centro de Cultura Luiz Freire
Central de Movimentos Populares do Rio Grande do Sul
Comunicativistas
CFP – Conselho Federal de Psicologia
Confea – Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia
CRIS Brasil – Articulação Nacional pelo Direito à Comunicação
CUT – Central Única dos Trabalhadores
Enecos – Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social
Farc – Federação das Associações de Radiodifusão Comunitária do Rio de Janeiro

Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas
Fittert – Federação Interestadual dos Trabalhadores em Radiodifusão e Televisão
Fittel – Federação Interestadual dos Trabalhadores em Telecomunicações
FNDC – Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação
FNPJ – Fórum Nacional dos Professores de Jornalismo
Fopecom – Fórum Pernambucano de Comunicação
Inesc – Instituto de Estudos Sócio-Econômicos
Intervozes – Coletivo Brasil e Comunicação Social
Instituto de Mídia Étnica

MNDH – Movimento Nacional de Direitos Humanos
Sindicato dos Jornalistas do DF
Sindicato dos Jornalistas de PE
Sindicato dos Jornalistas do RS
Sindicato dos Radialistas do DF
Sinos
SintPq – Sindicato dos Trabalhadores em Pesquisa, Ciência e Tecnologia de São Paulo
STIC – Sindicato Interestadual dos Trabalhadores na Indústria Cinematográfica e Audiovisual
TV Comunitária de Brasília
Ventilador Cultural